Vila Nova de Milfontes


Descendo da Serra do Caldeirão até encontrar o mar entre as arribas costeiras, junto a Milfontes, o Rio Mira representou, ao longo de milénios, o principal acidente físico do Sudoeste alentejano. Fonte de pescado, via de comunicação, atracção turística, o seu papel tem mudado mas não a sua omnipresença. Rio Mira, nome de ressonância Céltica - inspiração do armador que aqui construiu, em 1895, um iate para a cabotagem entre este porto e outros portos da costa portuguesa, a que deu exactamente o nome de "Rio Mira" - o seu sentido primordial remete para o significado de "água" ou "rio", como se bastasse a "ideia" para o identificar. Vila Nova de Milfontes, capital de antigo Concelho, criado em 1486 por carta de fundação concedida por D. João II, nasceu junto ao estuário do Mira, em sítio de abundantes águas, sítio de águas mil, que lhe ficaram no nome. Extinto como sede de município, em 1855, do concelho ficou-lhe o nome de vila, um forte - dito castelo -, para sua defesa e do porto, e um certo carácter "urbano" que a distingue das restantes freguesias do concelho a que hoje pertence.

Reservas


Preçário

Épocas 2018

Consultar

Condições

Condições gerais 2018

Consultar

Alojamento

T0, T1 e Estúdio

Consultar

Contactos

Contactos e Localização

Consultar